2

Do passado ao futuro, evoluímos?

Reprodução: Internet

Ontem completei 20 anos. Foi um dia muito especial e com muitas surpresas durante a semana que eu tenho certeza que nunca vou esquecer.

Foi um dia especial para alguns e outros com lembranças não tão boas, mas é como é aquela música: “some we win, some we loose” do Glee, do Journey. Pois é o fluxo da vida.

Há quatro anos, quando eu estava prestes a completar 17 anos, escrevi uma carta. Engraçado, ainda lembro do dia em que eu escrevia a carta, no meu computador que hoje eu uso pouco e no espaço em que eu escrevi, mas  já não existe.

Alguns pontos da carta fiquei assustada, pois nada mudou e outras, muito se mudou. Coisas que eu esqueci, coisas que eu aceitei e coisas que eu espero que aconteça. Minhas dúvidas sobre sentimentos, expectativas, pouco mudou. Resumindo: a evolução foi mínima de mim com 16 e eu agora com 20.

Os trechos que eu gostaria de compartilhar:

“Parabéns Ariane, você está completando vinte anos.

Você pode até achar loucura, ou vírus, mas você escreveu esta carta há quatro anos atrás quando viu num blog qualquer pela internet.

O que eu quero saber como vai a sua vida.

Já realizou algum sonho que você pensava em 2011? Ainda continua com a sua paixão real e aquela platônica? Escreve fanfics de Orgulho & Preconceito? Terminou sua coleção de “A Mediadora”? Tem todos os livros da Jane Austen? Tem muitos seguidores no Twitter? Tem muitos amigos no Facebook? O Orkut ainda existe aí em 2014? Começou a escrever a sua própria história?

[…]

E depois sobre o curso de Edificações. Muitas pessoas, mas alguns amigos. Será que essa amizade durará? Será que você está cursando Engenharia Civil, seguindo na área?

[…]

Ou jornalismo? Sua outra paixão?!

Agora para terminar essa carta: você está lendo em seu celular de última geração sentada num “Café” de esquina em frente ao Hyde Park? Em qualquer lugar da Londres? Em qualquer lugar da Europa? Num quartinho do alojamento da universidade? Ou no seu próprio quarto?

[…]

Parabéns Ariane do futuro… Beijos da Ariane do passado.

Será que sou madura, serei ou estou agora?”

Em resposta: Li a carta pelo celular mesmo. Realizei meu sonho: jornalismo. Esqueci de amores platônicos. Mas logo leio o meu próximo, aos 30 anos em um cafézinho de frente com o Hyde Park.

 

PS.: E para quem se interessar acesse o site FutureMe.org e  escreva uma carta para você mesmo.