No pé da escada

“Achava curioso as veias da mão dela saltadas e um ferimento de uma agulha que ela carregava há anos”

Ela já estava magrinha e os cabelinhos brancos. A gente costumava a conversar sempre. Lembro quando pegava uma caixa antiga dela cheia de papéis e fotos, e ela me contava a história de cada um: da irmã, do irmão, dos outros netos, dos sobrinhos. Eram fotos coloridas a canetinha ou então preto e branco.

Um dia nós estávamos sentada na escada de fora de casa. Ela era pequenininha e eu, com oito anos, já estava ficando maior que ela. Com os óculos bifocal, redondos, dava para perceber que era uma octogenária. Achava curioso as veias da mão dela saltadas e um ferimento de uma agulha que ela carregava há anos.

– Vó, me conta a história de quando a senhora conheceu o vô. – Pedi enquanto estava sentada ao lado dela na escada.

– Ele era muito bonito. Tinha um bigode bem feitinho e gostava de andar de terno e chapéu. – Ela disse saudosa. – Lembro que todas as moças viravam o rosto quando ele passava na praça. – E então imaginei os vestidos e cabelos dos anos 30. – Elas morriam de inveja porque eu namorava ele. – Ela disse com uma ponta de convencimento que me fez sorrir.

O meu pai passou pela gente e dei licença para ele passar.

– Fofocando, hein? – Ele disse brincalhão.

***

A escada ainda existe, a conversa não mais, mas ela ainda existe viva na minha memória.

Ontem vi a foto do meu avô na lápide… é vovó, a senhora não estava errada, ele era um rapaz bonito…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s